Bruxelas

No último dia na Bélgica, antes de irmos para o aeroporto, fizemos uma paragem em Bruxelas. Apesar de Bruxelas não ser uma prioridade para nós, nesta viagem, não podíamos sair do país sem conhecer, nem que fosse um bocadinho, a capital da Bélgica.

Saímos na estação Brussel-Centraal, e a partir desta estação conseguimos aceder facilmente a pé à maior parte dos monumentos, pelo menos os mais conhecidos. Para não andarmos com as malas atrás, decidimos deixá-las nos cacifos disponíveis na estação de comboios.

O primeiro impacto com esta capital europeia não foi das melhores, e a nossa opinião não mudou, durante a nossa curta visita a Bruxelas. Achamos uma cidade suja, que tresandava a xixi. :/

Mas, esquecemo-nos momentaneamente desse pormenor, quando entramos na Royal Galleries of Saint-Hubert.

Bruxelas (4)

Bruxelas (6)

Aqui dentro encontramos várias lojas requintadas, especialmente de chocolate.

Bruxelas (12)Bruxelas (9)Depois de me ter babado diante da montra da loja de chocolates Neuhaus, e apesar dos preços demasiado altos para o meu bolso, não consegui resistir e tive que entrar. Já tinha contado a inesquecível experiência que tive dentro desta loja, aqui.

Bruxelas (11)Bruxelas (10)Bruxelas (7)Bruxelas (8)

De seguida fomos para o Grand Place, que é o centro geográfico, histórico e comercial de Bruxelas.

Bruxelas (14) Bruxelas (15)

Bruxelas (17)

Esta movimentada praça mantêm-se o centro cívico da cidade, passados séculos da sua criação, é o melhor exemplo de arquitectura belga do século XVII.

Bruxelas (18)Bruxelas (16)Bruxelas (19)Entre os anos 1444 e 1480 foi construída a Câmara municipal de Bruxelas, o Hôtel de Ville. Em 1695, dois dias de intensos bombardeamentos franceses destruíram tudo excepto a Câmara municipal e algumas fachadas de outros edifícios.

Bruxelas (13)

Victor Hugo, autor de “Os Miseráveis”, terá dito que esta praça era a mais bela do mundo.

Apesar de ter achado a arquitectura dos prédios impressionante, não consigo concordar com Victor Hugo. Talvez porque a praça estava bastante cheia, talvez porque toda a cidade tresandava, talvez porque grande parte das fachadas dos prédios estavam em obras, não consigo partilhar da mesma opinião, não acho esta praça a mais bonita que já vi!

Bruxelas (21)Bruxelas (22)

Uma das partes desta praça estava toda em obras, mas achei engraçado o facto de os andaimes não estarem visíveis, para disfarçar o aspecto de obra, colocaram um grande painel com a fotografia das fachadas dos prédios que estavam a ser restaurados.

Bruxelas (20)

De seguida fomos em direcção ao símbolo da cidade, o Manneken Pis Fointain.

As ruas entre o Grand Place até à estátua do menino que mija, estão repletas de lojas com souvenirs, waffles, chocolates…Só mesmo o cheiro dos waffles para enganar o cheiro a xixi 🙂

BruxelasA estátua do menino que urina é bem pequena, e na altura que fui estava rodeada de turistas, e foi quase impossível conseguir tirar uma fotografia.

O Manneken Pis Fointain representa o espírito independente dos belgas.A actual estátua é uma réplica, uma vez que a original foi roubada em 1960, e depois de ter sido recuperada, decidiram colocar a original no Museu de la Ville, em Bruxelas.

Depois da foto da praxe seguimos em direcção ao Palais Royal.

Bruxelas (24)

Este é o Palácio oficial do Rei Belga, em Bruxelas.

Bruxelas (3)

Apesar de não ser utilizada como residência pelo Rei e a sua família, é aqui que o Rei Filipe realiza as suas prerrogativas como chefe de estado.

Bruxelas (2)

Depois de visto e fotografado o palácio por fora, fomos almoçar algo muito rápido, e voltamos para a estação de comboios, e dirigimos-nos para o aeroporto, dando assim terminada a nossa aventura pela Bélgica 🙂

Gent

Gent foi a grande responsável por esta viagem à Bélgica. Se o desejo de ir a Brugge já era grande, quando descobri esta encantadora cidade, que fica muito perto de Brugge, não consegui adiar mais uma visita a este país 🙂

A cidade de Gent fica a quase 50 Km de Brugge. E há cerca de dois comboios por hora, que fazem a ligação entre estas duas cidades e levam, mais ou menos, uns 30 minutos a fazer a ligação.

DSCN2981

 A estação de comboios de Gent fica um pouco distante do centro histórico, são cerca de 2,5 Km de distância. Por isso, a melhor forma de lá chegar é através do eléctrico.

Ao sairmos da estação de comboios encontramos, no lado esquerdo, o terminal de autocarros, e é de lá que parte o eléctrico nrº 1, que vai em direcção ao centro.

Assim que saímos da estação vimos um eléctrico parado, desatámos a correr, para tentar apanhá-lo, mas depois lembrámo-nos que ainda tínhamos que comprar os bilhetes… Entretanto o eléctrico partiu…DSCN2528Os bilhetes compram-se nas máquinas, que estão mesmo junto às paragens dos eléctricos. Quando estávamos a tentar perceber como adquirir o bilhete, apareceu outro eléctrico, entretanto a máquina devolveu-nos o dinheiro e não imprimiu os bilhetes, e deixou de ficar operacional…. Fomos a correr para outra máquina, que estava um pouco mais distante e lá conseguimos comprar o bilhete, mas entretanto o eléctrico arrancou… 🙂

O preço do bilhete foi 1,20€.

DSCN2527

Esperamos um bocado e conseguimos, finalmente, entrar no eléctrico. 🙂

Desembarcamos em Korenmarkt, e quando saímos do eléctrico demos de caras com o lindíssimo edifício da igreja de S. Nicolau (Sint-Niklaaskerk).

– Igreja S. Nicolau

DSCN2972A arquitectura desta igreja é impressionante e fez-me lembrar muito a catedral de Notre Dame, em Paris.

DSCN2534

Esta igreja foi construída no século XIII e é dedicada ao padroeiro dos mercadores.

DSCN2565

O acesso a esta igreja é gratuito, e vale a pena “perdermos” alguns minutos para entramos aqui, pois o seu interior é lindo.

DSCN2560

Mesmo ao lado da Igreja de S. Nicolau encontra-se o Belfort.

– Belfort

E já que ontem não tínhamos conseguido aceder ao Belfort de Brugge, também não queríamos perder a oportunidade de subir a este Belfort, por isso decidimos fazê-lo logo.

DSCN2576

Esta torre, com mais de 90 metros de altura, que termina com um dragão dourado, foi construída no século XVI.

DSCN2631

Para além da torre de vigia, do carrilhão com 52 sinos, este é o local ideal para obtermos uma vista privilegiada sobre a cidade de Gent.

DSCN2628

Para aceder a esta torre temos que pagar 6€.

Fiquei super feliz quando soube que era possível aceder ao topo da torre através de elevador 😀

Apesar de ter elevador é possível fazer a subida através das escadas e, claro que o Sérgio reclamou que queria ir pelas escadas, mas disse-lhe que eu ia pelo elevador e esperava por ele lá em cima… E, como é óbvio, ele subiu comigo no elevador 🙂

DSCN2617

É possível parar em três andares, onde podemos visualizar (e tocar) nos vários sinos, e também está exposto (mas não podemos tocar) o mecanismo que faz com que o relógio funcione e por sua vez, os sinos toquem.

DSCN2607 DSCN2592

Depois de termos deslumbrado as fantásticas vistas sobre a cidade, no cima da torre, descemos e fomos até à Catedral de S. Bavo, que fica mesmo ao lado de Belfort.

– Catedral de S. Bavo

DSCN2676

Infelizmente a sua fachada estava em obras, mas isso não impediu a nossa entrada. O acesso a esta catedral é gratuito, mas se quisermos ver a obra “The Adoration of the Mystic Lamb”, temos que pagar 4€.

DSCN2651

A St. Bavo Cathedral é a igreja mais majestosa de Gent.

DSCN2656Esta catedral tem um belo interior, com uma impressionante colecção de arte sacra.

DSCN2642

DSCN2669

De seguida fomos em direcção à Ponte Sint-Michielplein, de onde temos uma privilegiada vista sobre as Ruas Graslei e Korenlei. Consideradas uma das mais bonitas de Gent.

DSCN2682

Estava a ser montado um enorme palco no canal, pelo que percebi, durante o fim de semana ia acontecer um evento qualquer. Devido à montagem do palco não consegui apreciar na totalidade a beleza destas duas ruas, que estão divididas por um canal.

DSCN2686

Não sei se foi devido ao evento que ia acontecer, se normalmente a cidade já é cheia de vida, mas este canal estava cercado de jovens, ora nas esplanadas dos cafés, ou sentados junto ao canal a desfrutar do lindo dia de sol. Achei esta cidade cheia de vida e alegria.

DSCN2706

Neste antigo porto medieval, hoje em dia, é de onde partem os barcos turísticos, para os passeios pelos canais.  DSCN2700  DSCN2708

DSCN2960

Daqui seguimos em direcção à Praça Groentenmarkt.DSCN2720

– Groentenmarkt

Nesta praça estava a realizar-se um mercado com produtos biológicos, que acontece todas as sextas.

Existem três coisas que são imperdíveis, nesta praça, o Groot Vlesshuis, trata-se de um armazém onde estão pendurados presuntos no tecto.

DSCN2726O Neuzen, que é um doce típico de Gent, mais conhecido como o nariz de Gent. São feitos à base de framboesa e são vendidos num carrinho ambulante.

Não quis perder a oportunidade de experimentar este doce, e apesar de ser muito doce, gostei! 😉

DSCN2727

E atrás do carrinho ambulante, que vendia os narizes de Gent, encontra-se a Tierentey-Verlent, que é uma fábrica de mostarda belga que segue ainda a receita original.

Ao lado da fábrica de mostarda, encontramos uma pastelaria que vendia baguettes e fatias de pizza, e como a fome já começava a apertar decidimos almoçar por lá. E foi a escolha mais acertada, tanto a pizza, como as baguettes, estavam deliciosas. (Ou talvez tenha sido a fome que já era grande… 🙂 )

Depois de alimentados, atravessamos a ponte em direcção ao Castelo Gravensteen.

DSCN2740Nesta ponte também partem passeios de barco, pelos canais.

– Castelo de Gravensteen

O exterior do castelo estava em obras (Óbvio! Há sempre algo em obras quando vou viajar 🙂 ). E mesmo no interior havia algumas partes também em obras, mas nada que impedisse a visita.

DSCN2752

DSCN2765

DSCN2759

A melhor vista para o exterior do castelo é da ponte sobre o canal.

Mas não nos ficamos apenas pelo exterior do castelo, decidimos pagar os 10€ de entrada, e ver o seu interior.

Este castelo medieval do século XI, foi reconstruído em 1180, por ordem de Philip de Alsacia, para mostrar o seu poder.

DSCN2786Dentro do castelo encontra-se o museu da tortura.

DSCN2823

E é muito impressionante ver todos aqueles objectos e tentar visualizar como eram utilizados. E não é preciso usar muito a imaginação, pois além de imagens a ilustrar os objectos de tortura em acção, existem também textos, a explicar como eram utilizados.

DSCN2831Aqui também se encontra uma guilhotina original.

DSCN2820Do alto do castelo obtemos umas vistas fantásticas sobre a cidade.DSCN2850Mas à hora que fomos o sol estava mesmo de frente para o centro da cidade, o que não permitiu tirar fotos sem ficarem “queimadas”. Mesmo não tendo ficado com fotos dignas, ficou tudo registado dentro da minha cabecinha, a vista sobre aquelas casas pitorescas, as torres altas das igrejas, os canais, as diversas pontes…

Dentro de um castelo, com toda aquela vista à minha frente, senti-me como se tivesse a viver um conto de fadas 🙂

 DSCN2802

Quando saimos do castelo seguimos em direcção à rua Kraanlei.

Fiquei apaixonada por esta parte da cidade, as fachadas das casas muito bem cuidadas, junto ao canal haviam várias flores a decorar, pormenores que tornam esta rua cativante.

DSCN2733DSCN2860Passeamos muito calmamente ao longo desta rua, para absorver todos os pormenores encantadores.

DSCN2865

 Quando chegamos à zona de Patershol, aventuramo-nos pelas suas ruelas estreitas…

DSCN2876  E encantamos-nos pelos seus prédios e pormenores.

DSCN2885

Depois de termos caminhado por Patershol District, seguimos em direcção à praça Vrijdagmarkt.

– Vrijdagmarkt

No centro desta praça encontra-se uma estátua de Jacob Van Artevelde, um lider da cidade. Nesse dia tinha um yoyo na mão, e uma máscara colada à cara…

DSCN2924Todos os prédios que circundam esta praça são bastante antigos, mas todos muito bem conservados.

DSCN2930DSCN2928

Nesta praça existe um bar muito conhecido, o Dulle Griet.

DSCN2897

Além das inúmeras cervejas belgas disponíveis neste bar, ao pedirmos a cerveja Max, temos que tirar o sapato e entregá-lo ao funcionário do bar, que coloca-o numa cesta que se encontra pendurada no tecto, e só nos é devolvido quando acabamos de beber. Esta tradição teve inicio com o intuito de ninguém roubar o famoso copo, dedicado a esta cerveja.

Claro que não podíamos perder esta experiência e lá fomos experimentar esta cerveja, e foi o momento alto do dia para o Sérgio 🙂

DSCN2902

O que não sabíamos é que o copo desta cerveja tem uma capacidade de 1,2 Litros! Uauuu…

DSCN2918

Pedimos apenas uma cerveja para os dois, e apenas o ténis do Sérgio foi parar ao cesto 😉

DSCN2912

Passamos o resto da tarde neste bar a saborear esta bela cerveja, que por sinal é muito boa e apreciar a espectacular decoração e ambiente deste bar.

Em termos práticos, é um pouco complicado ficarmos sem um sapato… tendo em conta que levamos, mais ou menos, uma hora no bar, a beber mais de um litro de cerveja, a probabilidade de termos vontade de ir ao WC é grande… E visto que a casa de banho é no 1º andar e temos que subir umas escadas, não é muito prático irmos apenas com um sapato calçado 🙂

Esta cerveja custou cerca de 10€, mas vale cada cêntimo,  pela experiência, e pelo sabor 😀

Com a quantidade de cerveja ingerida, era melhor colocar alguma comida no estômago. Por isso, quando saímos do bar encontramos, na praça Vrijdagmarkt, uma carrinha ambulante a vender as famosas Friet (batatas fritas), era mesmo isso que nos estava a apetecer… Calorias! Souberam tãooo bem 🙂

DSCN2933Voltámos para Korenmarkt e apanhamos o eléctrico 1 até à estação de comboio, para regressarmos a Brugge.

Foi um dia muito bem passado, Gent é uma encantadora cidade, que merece uma visita numa viagem pela Bélgica 🙂

Gulden Vlies – Brugge

Escolher um hotel em Brugge foi difícil, não por falta de escolha, mas encontrar um hotel pelos preços que estávamos dispostos a pagar, e que a localização fosse boa, não foi tarefa simples. Se o preço era razoável, era fora do centro,  se era no centro os preços eram proibitivos para a nossa carteira.

Mas depois de muita procura encontramos o hotel ideal! Acabamos por ter muita sorte, porque este hotel estava com um preço promocional no Booking, ficou a cerca de 70€/noite, com pequeno-almoço incluido.

Este hotel é gerido por um jovem casal, que também lá vive. Assim que chegamos fomos recebidos pelo dono que nos deixou super à vontade.

Entregou-nos de imediato a chave do quarto e disse-nos que podíamos ir descansar e quando quiséssemos descer que ele daria todas as explicações que desejássemos sobre Brugge.

Assim o fizemos… O nosso quarto ficava no terceiro andar, e como é uma mansão do século XX, não tinha elevador, e tivemos que carregar com as malas até lá a cima. Mas nada que já não soubessemos quando reservamos o hotel 😉

Os quartos são espaçosos o suficiente e a cama era bastante confortável.

DSCN1824

DSCN1835

No quarto tínhamos disponível um pequeno roupeiro, como um espaço para deixar as malas. E também um pequeno sofá e uma TV.

DSCN1828Existe uma casa de banho privativa, apesar de ser bem pequena, foi o suficiente para nós os dois, para os dias que lá ficamos. Além dos sabonetes e shampoos habituais, no armário do WC havia um secador de cabelo.

Mas o que gostamos mesmo neste quarto foi o sossego… Durante a noite não se ouvia nada, nem os hospedes do quarto ao lado, nem lá fora… Nada! Conseguimos ter umas noite completamente tranquilas 🙂

Photo 12-09-14, 07 30 28

Corredor do hotel

A decoração nos corredores de cada andar era encantadora.

Photo 11-09-14, 08 40 28

Corredor do hotel

Depois de termos descansado um pouco fomos falar com o dono do hotel, ele disponibilizou-nos um mapa da cidade e um cartão dos museus (temos desconto nos principais museus da cidade).

Aconselhou-nos percursos, o que não podíamos deixar de visitar, os restaurantes a ir e os que devíamos evitar… Um serviço excelente!

Photo 12-09-14, 07 30 49

Hall de entrada

Também adorei o pequeno almoço! Havia uma vasta escolha, desde leite, chás, cafés, sumos, iogurtes, fruta fresca, compostas, queijo, fiambre, salame, croissants acabadinhos de fazes, waffles, bolos…

Photo 13-09-14, 08 04 20

Já estou a engordar só de me lembrar daqueles pequenos-almoços 🙂

Photo 12-09-14, 07 36 19

O Gulden Vlies fica a uma curta caminhada (cerca de 10/15 minutos) da praça Markt, a principal da cidade.

Photo 13-09-14, 07 32 12

Sala de Refeições

Foi, sem dúvida a escolha acertada, tanto ao nível do serviço prestado, do preço e da localização. 🙂

Experiências imperdíveis em Brugge

Como já tinha mencionado, em Brugge não há nenhum monumento de visitação obrigatória, como a Torre Eiffel em Paris, o Big Ben em Londres ou mesmo o Coliseu em Roma, aqui o melhor é perdermo-nos pelas ruas da cidade e encantarmo-nos com os pormenores que nos vão surgindo à frente.

Mas considero que algumas experiências são imperdíveis, quando se visita esta linda cidade, e algumas delas pode-se fazer numa outra qualquer cidade da Bélgica.

Claro que existem pessoas diferentes, e as experiência que para mim considerei imperdíveis, outras pessoas podem não concordar.

Mas, para mim, estas foram algumas das experiências que tornaram esta viagem mais especial, e que voltaria a fazer, se voltasse a Brugge.

  • Chocolates

DSCN2026

DSCN1922

O chocolate Belga é um dos mais famosos do mundo, e é praticamente impossível estar neste país e não sair de lá com um quilinho a mais 🙂

Em Brugge há inúmeras chocolaterias espalhadas pela cidade, o difícil é mesmo escolher a que entrar.

E existe algo mais romântico do que passear pela cidade com o namorado e comer uns chocolates belgas? 🙂

  • Cervejas

P1230642

P1230644

Na Bélgica existem mais de 1500 cervejas diferentes, muitas delas de fabrico artesanal. Existem inúmeros bares espalhados por toda a cidade, acabamos por ir ao De Garre, o Sérgio experimentou a cerveja da casa, que tem o mesmo nome do bar, é uma cerveja bem incorporada e forte. Por isso, para não sair de lá a andar aos ziguezagues pedi uma mais fraquinha, pedi a opinião ao empregado do bar e ele recomendou-me a Augustijn. E acertou em cheio, gostei bastante.

Em geral as cervejas belgas são muito fortes, por isso é preciso ter algum cuidado para não acordarmos no dia seguinte com uma valente ressaca. 🙂

Uma boa opção para quem não é muito apreciador de cerveja são as cervejas com aromas de frutos vermelhos, são realmente uma delicia! 😉

O que achei mais curioso é que cada cerveja tem o seu copo, e em todos os bares que fui, eram servidos no respectivo copo.

  • Waffles

P1230635

Waffles existem em qualquer parte do mundo, mas não sei se existe tantas lojas de waffles, como na Bélgica.

Apesar de não ser grande apreciadora de waffles, não consegui sair daqui sem provar um. E se para quem não é muito fã de waffles gostou bastante, imagino para quem adora… 🙂

Há waffles simples, com chocolate, com morangos, com chantilly, existem waffles para todos os gostos… E o cheiro que sai das lojas? Para mim, essa foi a melhor parte 😀

  •  Belgium Fries

DSCN2933

Uma das coisas que mais gosto de fazer quando estou a viajar é experimentar a cozinha local. Se na Bélgica não existiam muitos pratos típicos que me despertassem a atenção, não consegui passar sem comer as famosas batatas fritas.

Vendem-se, principalmente, em barracas ou carros ambulantes, e há várias espalhadas pela cidade, especialmente, nas zonas mais movimentadas.

E o que tem de especial estas batatas fritas? Elas são fritas duas vezes, o que as torna bem estaladiças, e pode-se acrescentar um molho, o difícil é escolher qual, a variedade é enorme!

  •  Passeio de barco pelos canais

P1230601 P1230592

Foi uma das experiências que mais gostei de fazer em Brugge. Em qualquer guia de viagem aconselham um passeio de barco pelos canais da cidade. Inicialmente, pensei que não devia acrescentar nada ao que já tinha visto durante o dia, ao percorrer junto aos canais a pé… Mas, como estava enganada!

A visão que temos da cidade a percorrer os canais é muito diferente, há certos pormenores que ou não nos é acessível ver ou que nos passa despercebido, quando estamos apenas a caminhar junto aos canais.

Em todos os passeios de barco, o comandante do barco faz uma visita guiada, o que torna ainda mais enriquecedora a viagem. E de bónus, tive uma sorte enorme com o comandante do barco que fui fazer o passeio, pois além de divertido, era muito comunicativo e o seu inglês era perfeito 😉

Chocolaterias em Brugge

É impossível falar em Brugge e não falar nos chocolates… Das cidades que visitei na Bélgica, achei que em Brugge era onde havia uma maior concentração de lojas de chocolates…

P1230712

DSCN2024

Principalmente nas ruas Breidelstraat e Wollestraat, há uma chocolateria loja sim, loja sim. Mesmo! 🙂

DSCN2029

DSCN2028E se já é difícil resistir ao maravilhoso cheiro que sai daquelas lojas, é praticamente impossível resistir às lindas decorações que fazem com os chocolates, nas montras e dentro das lojas.

P1230713

A expressão “os olhos também comem” faz todo o sentido aqui!

Photo 11-09-14, 09 52 57

Todos os chocolates estão visiveis e perfeitamente alinhados e organizados, o que torna a tentação ainda maior. 🙂

P1230719

DSCN1922Além dos chocolates, há também várias lojas de waffles. Waffles simples, com chocolate, com gelado, com chantilly, com morangos… Como é que alguem consegue resistir a tenta tentação?! Ou somos alérgicos ao chocolate ou detestamos, porque de outra maneira, é impossivel não esquecermos a linha e experimentar algum doce 🙂

Photo 21-09-14, 20 22 10

As marcas Godiva, Leonidas e Neuhaus são as que tem mais fama. E existem várias espalhadas pela cidade, tanto em Brugge, como em Gent ou em Bruxelas.

Não cheguei a experimentar nenhum chocolate da marca Godiva, mas das outras duas provei. E sem dúvida, os chocolates Neuhaus são os melhores que já comi. Infelizmente (ou felizmente), comprei-os no último dia em Bruxelas, e só os experimentei quando já estava em Portugal… Senão, tinha trazido uma dose industrial 🙂

Photo 13-09-14, 21 40 53

Mas não são chocolates acessíveis, estes seis pralinés foram quase 7€!!

Mas o atendimento e a experiência valem esse valor, fomos atendidos com toda a simpatia, escolhemos os chocolates (confesso que foi um escolha dificil, a escolha era muito vasta…), colocaram num saquinho de papel personalizado, selado com um autocolante com um N, de Neuhaus. Posteriomente colocaram num saco de plástico com um cartão, que continha  a factura.

Photo 13-09-14, 21 46 20

Apesar dos chocolates belgas não terem um preço acessível, uma viagem a este país sem provar estas tentações, não tem o mesmo sabor.

E, para mim, as experiências gastronómicas que se fazem no país visitado, enriquecem mais uma viagem.

Passeio de Barco em Brugge

Um passeio de barco pelos canais de Brugge, é um dos programas que não se pode deixar de fazer, numa visita a esta encantadora cidade.

DSCN2520Os canais de Brugge, outrora muito utilizados por motivos comerciais, estão agora reservados aos barcos de turismo.

DSCN2486

Ainda ponderamos em não fazer este passeio, e fazê-lo em Gent, cidade que íamos no dia seguinte, pois durante a manhã estava bastante nublado… Mas ainda bem que o tempo melhorou e que decidimos fazê-lo aqui. Pois, mesmo que o tempo não esteja a nosso favor, o passeio de barco por estes canais é mesmo imperdível.

DSCN2491

Já tínhamos passado por todos estes sítios a pé, mas a perspectiva que temos dentro do barco é totalmente diferente, e na minha opinião, melhor 🙂

DSCN2507

O comandante do barco ia dando explicações por todos os sítios que nós passávamos.

Tive bastante sorte por ter sido a última a entrar no barco, e por isso, fiquei mesmo ao lado do comandante, o que permitiu tirar fotografias sem apanhar uma multidão de cabeças. 🙂

P1230592

P1230601

Além do mais, o comandante era muito divertido e interagia bastante com os passageiros.

P1230618

Numa das janelas deste hotel o Colin Farrell saltou para a água do canal, no filme “Em Bruges”, gravado aqui. 🙂

P1230616

Colin Farrell saltou da janela deste hotel, para o canal, durante a gravação do filme “Em Bruges”

Os passeios de barcos partem de vários locais: Dijever, Rozenhoedakaao e Blinde Ezelstraar Bridge.

Duram 30 minutos e tem um custo de 7,60€ (adulto).

DSCN2497 DSCN2501

Sei que vai parecer uma repetição, mas este passeio de barco é mesmo imperdível, e foi uma das experiências que mais gostei, em Brugge 🙂

Begijnhof e Minnewater

Na zona sul de Brugge encontra-se Begijnhof, que em português significa Beguinaria.

Uma Beguinaria consiste num agrupamento de casas, usadas pelas Beguinas, que são beatas católicas e normalmente vivem isoladas da cidades.

IMG_4048A Begijnhof de Brugge foi criada no século 12, quando um grande número de homens partiram para a Cruzada da Terra Santa, e nunca mais voltaram.

IMG_4050As suas mulheres, que ficaram sozinhas, sentiram a necessidade de encontrar segurança junto de uma ordem religiosa. No entanto, para aderir a esta comunidade era necessário abrir mão dos bens materiais.

Neste espaço encontra-se muita paz e tranquilidade.

DSCN2250Mesmo ao lado de Begijnhof encontra-se o Minnewater Park. Um parque com um vasto lago e espaço verde.

DSCN2214

DSCN2262Era o local ideal para descontrair e saborear os deliciosos chocolates que tinha comprado de manhã, e assim o fiz 🙂

DSCN2278

Memlingmuseum (Sint-Janshospitaal)

Não estava no meus planos visitar nenhum museu durante a viagem pela Bélgica. Tinha colocado o Memlingmuseum no itinerário, mas só de passagem, porque o edifício tem uma arquitectura medieval lindíssima.

DSCN2160Mas, no hotel o Sérgio tinha visto um panfleto com uma exposição, neste museu, com alguns quadros originais de Picasso.

DSCN2342

Pelo que a dona do hotel nos informou, estes quadros pertencem a um coleccionador privado, e era uma oportunidade única ver estes quadros de perto… Por isso, lá inclui nos planos do dia a visita ao museu.

DSCN2311

Este edifício que é o mais antigo de Brugge, que actualmente abriga um museu, era um antigo hospital medieval, o Sint-Janshospitaal. Este é um dos hospitais medievais mais bem preservadas da Europa, onde uma ordem religiosa cuidaram de peregrinos, viajantes e doentes.

Dentro do recinto deste antigo hospital senti que tinha sido transportada para outra época, por onde quer que olhasse todos os edifícios tinham um aspecto medieval, muito bem conservados.

Além de Picasso, estão expostas outras obras de grandes pintores, tais como Degas, Toulouse-Lautrec, Rodin, Miró, Matisse, René Magritte.

DSCN2303

Miró

DSCN2301

Miró

Magritte (2)

René Magritte

Magritte

René Magritte

DSCN2312

DSCN2331

Picasso

DSCN2334

Picasso

DSCN2336

Picasso

DSCN2339

Picasso

Dentro do museu temos uma vista priviligiada para o pátios e jardins.

DSCN2330
O bilhete normal custa 8€, mas nós tivemos um desconto, devido a um cartão que nos foi disponibilizado pelo hotel, por isso ficou por 6,50€.

Pelo que percebi todos os hotéis associados ao Discover Bruges, disponibilizam aos seus hospedes um cartão, do qual temos desconto no acesso a vários museus, como outras atracções turísticas de Brugge.

Brugge: Markt, Burg e os seus canais

Quando acordei nem queria acreditar que estava em Brugge, nem o tempo cinzento que estava lá fora fizeram-me desanimar.

Esta cidade é conhecida como a Veneza do Norte, devido aos inúmeros canais que a cercam. Desde o ano 2000 que é Património da Humanidade pela UNESCO, devido à preservação das estruturas arquitectónicas medievais existentes na cidade.

Seguimos em direcção a uma das praças principais, a Markt. Apesar de ficar a uma curta distância do hotel, demoramos muito mais do que o previsto a chegar à praça, porque as paragens são constantes, pois a cada metro aparece algo que desperta o nosso olhar, ou algum edifício, ora algum canal…

DSCN1908

E Brugge é assim, não tem nenhum monumento de visitação obrigatória, pois a principal atracção é toda a cidade em si! 🙂

Ao chegar à praça Markt o nosso olhar vai directo para a torre, Belfort. Esta torre ergue-se a 83 metros do solo. Construído entre os séculos XII e XV  é o ex-libris de Brugge.

É uma majestosa praça, cercado por edifícios sumptuosos e com inúmeras carruagens de cavalos que estão sempre a transportar os turistas.

No centro desta praça encontra-se uma estátua de Pieter de Coninck e Jan Breydel, membros de uma guilda que liderou uma rebelião contra os franceses, em 1302.

Inicialmente pensamos subir a torre logo de manhã, mas como o dia estava tão cinzento e a vista lá de cima não iria ser grande coisa com o tempo assim, decidimos esperar pela tarde, para ver se o tempo melhorava…

DSCN2410

Por isso seguimos caminho pela rua Breidelstraat, esta rua liga as duas principais praças da cidade.

Esta rua está repleta de lojinhas que vendem chocolates, waffles e, também, uma loja só com decorações de Natal (adoro o Natal), e claro que me perdi lá dentro a apreciar todas aquelas decorações 🙂

DSCN2026 DSCN2016 P1230632 P1230709 DSCN2388

Foi na La Belgique Gourmande que perdi a cabeça pela primeira vez, e comprei um saquinho com chocolates belgas 😀

P1230713

Apesar de ser uma rua pequena foi difícil chegar à outra praça, devido a tanta tentação 🙂

DSCN2377

O prédio mais alto desta praça, é o Stadhuis, construído no século 14, no auge de Brugge, actualmente é a Câmara Municipal.

DSCN1990

DSCN1983

Mas o que mais me impressionou, nesta praça, foi a Basílica of the Holy Blood, que se encontra do lado direito da Câmara. Pode até passar despercebida, pois fica num canto e é um edifício pequeno. Mas a sua fachada é impressionante, e o interior também é igualmente bonito.

DSCN1996 DSCN2000

Dentro desta basílica existe uma relíquia, o sangue de Cristo. Quando entramos na igreja estavam a anunciar que ia haver uma demonstração com o sangue de Cristo, aguardamos um bocado, e muito resumidamente, a demonstração consistia em ver o suposto sangue de Cristo, que se encontra dentro de um cilindro de vidro e contribuir com algum donativo.

DSCN2015

Todas as pessoas fizeram fila para ver aquela relíquia, mas nós decidimos sair da igreja… Assim que chegamos lá fora, estava a chover… Por isso decidimos enfiar-nos por uma ruazinha escondida, mesmo ao lado da igreja, onde haviam mais lojas de chocolates… 🙂

Mas a chuva durou pouco, seguimos em direcção à rua Groenerei, que é cercada por um canal.

DSCN2375DSCN2044-2DSCN2040Foi uma das minhas ruas preferidas, o canal rodeado por casas com aspecto medieval e várias pontes, tornam este percurso mágico 🙂DSCN2043DSCN2057DSCN2063 DSCN2052

De seguida fomos para a rua Rozenhoedkaai, este é um dos locais mais fotografados de Brugge, e percebe-se porquê…

DSCN1963DSCN2361

Este local tem a capacidade de nos fazer ficar sem palavras de tão perfeito que é 🙂

DSCN2370As casas com arquitectura medieval, muito bem conservadas, as diversas pontes, o canal junto às casas, as flores junto ao caís, tornam todo este cenário espectacular, parece saído de um conto de fadas 🙂

DSCN2455DSCN2373DSCN2454Antes de continuarmos demos uma escapadinha pela rua Wollestraat, outra rua recheada de lojas de chocolates e também a 2BE beer Wall, uma cervejaria onde tem uma parede cheia de cervejas belgas.

P1230622

DSCN1921DSCN1931IMG_3976DSCN1935

Continuamos sempre junto ao canal até chegarmos à belíssima Igreja de Nossa Senhora (Onze Lieve Vrouwekerk).DSCN2109 DSCN2347DSCN2345DSCN2153

A torre desta igreja tem 122 metros e é bastante imponente. Apesar de não termos entrado ficamos bastante impressionados com o seu exterior.

DSCN2129

Ao final da tarde, como o tempo já estava melhor, decidimos voltar à praça Markt, com a intenção de subir os 366 degraus do Belfort e deslumbrar as vistas de lá de cima.

DSCN2414

Tinha visto que o acesso à torre fechava às 17 horas, mas esqueci-me de ver um pormenor muito importante… É que a bilheteira fechava as 16:15, e nós chegamos lá às 16:20… 😦

Como não conseguimos subir a Belfort, aproveitamos o bom tempo para tirar algumas fotografias à praça.

P1230679 DSCN2413DSCN2419DSCN2434DSCN2431

Era impossível estar na Bélgica e não comer um waffle, há várias lojas a venderem waffles, e o cheiro de sai de lá é praticamente irresistível… E eu não consegui resistir 🙂

P1230635

Como já tínhamos andando bastante, decidimos descansar um pouco e saborear uma cerveja belga na cervejaria De Garre. Esta cervejaria fica numa ruela, na rua  Breidelstraat, que é bastante movimentada, e que por essa razão encontrar a ruela deste bar pode passar despercebida à maior parte das pessoas.

P1230644 P1230642Mas a procura é recompensada quando entramos no bar, com um ambiente bastante rústico e acolhedor, e a cerveja… muito boa! 🙂

As primeiras horas na Bélgica

Depois de um voo de três horas, chegamos finalmente a Bruxelas. Digamos que as primeiras horas em terras belgas foram um pouco stressantes… Assim que chegamos ao aeroporto fomos directamente para a maquina automática, para comprar os bilhetes de comboio para o centro de Bruxelas, mas o raio da máquina só aceitava pagamento através de moedas ou com cartão multibanco. E como é óbvio, não tínhamos tantas moedas connosco, e o terminal de multibanco não aceitava os nossos cartões por nada, dava sempre erro… Decidimos tentar encontrar um balcão, onde conseguíssemos comprar os benditos bilhetes…

No piso 0 do aeroporto encontramos um balcão onde compramos os bilhetes, e ainda poupamos uns trocos, pois compramos logo para Brugge, em vez de comprarmos para o centro de Bruxelas e depois para Brugge, como íamos fazer se tivéssemos conseguido comprar na máquina automática. Mas de qualquer forma, temos sempre que parar numa das estação principais de Bruxelas (Midi, Nord ou Central), pois não há comboios directos do aeroporto para Brugge. O bilhete de comboio do aeroporto para Bruges custou 20,60€.

A linha de comboio encontra-se no piso -1, no aeroporto.

Depois de 20 minutos chegamos a Bruxelas e saímos na estação Bruxelles-Central. Daqui tínhamos que apanhar outro comboio em direcção a Brugge. No placard automático vimos qual era o próximo comboio para o destino que queríamos e como saia cinco minutos depois, fomos directamente para a plataforma correspondente.

O comboio chegou, instalamo-nos e ficamos todos felizes da vida até o revisor chegar… Quando apresentamos os nossos bilhetes avisou-nos que estávamos em 1ª classe e os nossos bilhetes eram de 2ª (bem que estava a achar demasiado confortável), lá tivemos que mudar para a carruagem dos pobres… 🙂 Mas, o pior foi quando ele nos alertou que este comboio fazia um trajecto mais longo até Brugge, ou seja, o comboio mais directo leva cerca de 1 hora, este levava 2:30 horas…

DSCN2991

A anta aqui, nem se lembrou em ver em que estações paravam o comboio… Vi que ia em direcção a Brugge, foi o que me bastou! Mas serviu de emenda, das outras vezes que andei de comboio fui verificar sempre quanto tempo demoravam a chegar e por onde pararam.

Men

Informações sobre os horários de todos os comboios

Depois de 2:30 horas finalmente chegamos a Brugge! Aleluia! Decidimos ir a pé até ao hotel, já que não estávamos cansados e estamos fartos de estar sentados… Sabia que ao sair da estação, tinha que virar para o lado esquerdo e depois seguia sempre em frente…

A paisagem não me estava a fazer lembrar nada do que tinha pesquisado… Depois de mais de meia hora a andar decidimos perguntar a uma rapariga onde é que estávamos… Conclusão, saímos do lado oposto da linha. Fizemos o caminho de regresso até chegar novamente até à estação e saímos na saída correcta 🙂

P1230670

Depois de uma hora a carregar com a mala, não conseguia mais transportá-la, e com receio de perder-me novamente, quis apanhar o autocarro. E lá fomos, o autocarro parou a uns 200 metros do hotel 🙂

Fomos recebidos calorosamente pelo dono do hotel, ofereceu-nos um mapa da cidade, e explicou-nos os melhores sítios a visitar e também nos recomendou um restaurante para jantarmos.

DSCN1906 P1230672

O quarto era bastante confortável, e depois de descansarmos um pouco e tomar-mos um banho fomos até à praça principal, a Mark. A intenção era irmos ao restaurante que o dono do hotel nos aconselhou, mas estava completamente cheio, e para piorar, os belgas jantam bastante cedo, a partir das 9 da noite já não aceitam mais pessoas… Andamos às voltas à procura de algum sítio onde pudéssemos jantar, acabamos por encontrar um Quick (Fast-food) e nem pensamos duas vezes, foi mesmo alí 🙂

DSCN1851

Depois de algumas fotos naquela praça, regressamos ao hotel.

P1230730