Como Planear uma Viagem & Dicas para organizar uma viagem económica.

Como planear uma viagem? Esta deve ser a questão que mais suscita curiosidade às pessoas quando me abordam sobre as minhas viagens. 99,9% das minhas viagens foram organizadas por mim! Apesar de ser algo que dá muito trabalho, pois é necessário reunir várias informações sobre o destino, fazer várias pesquisas e comparações… é algo que me dá muito prazer em fazer, planear a minha própria viagem, escolher os lugares que quero ir, no dia e hora que me apetecer sem pressões, algo que quando é organizado não acontece, temos um determinado itinerário e temos que nos sujeitar a ele.

dscn3925

Budapeste – Hungria

Se organizar uma viagem fosse tão simples as agências de viagem não teriam trabalho! Mas, reconheço que as típicas agências de viagem são boas num certo tipo de viagens, como em Resorts nas Caraíbas ou Cruzeiros. Na altura que fui a Cuba (marquei numa agência de viagem) o preço que me paguei pelo Voo+Resort era o mesmo valor do hotel,  se fosse eu a marcar directamente. Nesse aspecto as agências tem uns preços muito mais competitivos.

Na Europa e na Ásia se formos nós a organizar a viagem saí bem mais em conta do que marcarmos numa agência. Mas se são daquelas pessoas que não têm paciência, nem tempo para levarem horas e horas a fazer pesquisas, o melhor mesmo é recorrerem a uma agência. Se tem vontade de organizar mas não sabem por onde começar, neste post neste post vou reunir algumas informações de como planear uma viagem e algumas dicas de como poupar em viagem 🙂

james bond (7)

James Bond – Tailândia

1 – Escolher o Destino

Aqui vai depender muito do vosso orçamento e do tipo de férias que pretendem (Cidades, Cultura, Praia).  Se já tem o destino escolhido, então é seguir com as pesquisas de voos.

Mas se não fazem a menor ideia para onde querem ir e estão abertos a qualquer sugestão é um óptimo ponto de partida para começarem a poupar em viagem. Como assim?! A minha primeira dica de poupança é ser flexível com o destino! Várias das minhas viagens tem como principal factor o preço dos bilhetes de avião. Se encontro algo realmente barato e tiver interesse em conhecer esse lugar não perco essa oportunidade, por exemplo, o ano passado encontrei bilhetes para Milão da TAP, a 20 e pouco euros, e foi por essa razão que surgiu a viagem para o Lago di Como.

Pesquiso essencialmente nos sites da Easyjet, Ryanair e Tap (que são as companhias que mais costumo viajar) para ver quais os destinos que tem os voos mais baratos. E compro sempre os bilhetes directamente no site das companhias aéreas e nunca por terceiros, para evitar comissões.

img_0028

Mas também utilizo o motor de busca Momondo que compara preços e companhias aéreas e assim torna-se mais simples encontrar qual o voo mais barato.

Também é importante ter alguma flexibilidade nas datas, por exemplo, pesquisem em várias datas, o preço pode ser bem mais em conta noutras datas.

Outro aspecto que devem levar em consideração é o horário dos voos! Um voo barato mas que só chega ao destino à 1 da manhã, será que compensa pagar uma noite num hotel? Não compensará mais um voo de manhã mesmo sendo ligeiramente mais caro… Outro exemplo, um voo de regresso às 3 da manhã, haverá transportes públicos a essa hora, pagar um táxi ou até mesmo uma noite num hotel para não dormir compensará?

img_0005

Se os voos de Portugal estão muito caros ou não existem voos directos para um determinado lugar, tentem pesquisar noutra cidade europeia, como Barcelona, Frankfurt, Londres… E depois é só procurar um voo de ligação para essa cidade numa companhia low cost. Quando fui para Marraquexe e Malta, os voos a partir de Portugal estavam bem mais caros do que em Sevilha, por isso fui a Espanha apanhar o voo 😉

São todos estes pequenos pormenores que verifico quando estou a pesquisar os voos!

2-  Transportes aeroporto/centro

Mas antes de marcar o voo faço sempre uma breve pesquisa sobre o destino. Nomeadamente a que distância se encontra o aeroporto do centro da cidade, quais são as opções para fazer essa deslocação e os respectivos preços. Às vezes podemos ter algumas surpresas e ser bem mais caro do que estávamos a contar.

Principalmente as companhias low cost aterram muitas vezes em aeroportos muito distantes e sai muito caro a deslocação até ao centro da cidade.

Se o local tiver transportes públicos do aeroporto-centro dou sempre preferência a essa opção, porque é sempre a mais vantajosa.

Varenna (2)

Lago di Como – Itália

3 – Alojamento

Pesquiso sempre os preços de hotéis e alojamentos antes de reservar a viagem. Há destinos cujos voos são bem em conta, mas os alojamentos são caríssimos, e pode ser um factor determinante se é ou não viável lá ir.

Faço as pesquisas e as reservas de alojamento essencialmente nestes dois sites: Booking e Airbnb.

IMG_5431

Zaanse Schans – Holanda

Ao reservar há três aspectos que levo sempre em consideração: os comentários dos viajantes, a pontuação do alojamento (por experiência própria só reservo se tiver uma pontuação superior a 8, no caso do Booking e no Airbnb a partir das 4 estrelas e meia) e a sua localização, pois dou sempre preferência a hotéis/apartamentos que fiquem centrais. Apesar dos mais afastados serem mais econômicos, o tempo e dinheiro que se perde nas deslocações muitas vezes não compensam.

Aqui a dica é reservar com antecedência, pois os alojamentos com melhores preços e posicionamento esgotam rapidamente.

4- Deslocações no local

Também faço uma breve pesquisa sobre os transportes que irei utilizar, se é necessário alugar carro ou se as deslocações podem ser feitas facilmente de transportes públicos. É algo que devemos ter em consideração, pois poderá ser um aspecto que pode pesar no  nosso orçamento.

DSCN6429

Caso seja necessário alugar carro, normalmente utilizo o site Rentalcars. Colocamos as datas da viagem, onde pretendemos recolher e entregar o veículo e ele mostra-nos os preços de variados automóveis.

DSCN5961

Lago di Como – Itália

 5 – Elaborar o itinerário

Depois de todo o trabalho chato de pesquisa vem a parte mais divertida (mas também bastante trabalhosa), procurar o que quero fazer/visitar no local. Não gosto de chegar ao destino sem ter nada planeado, gosto de organizar e saber com antecedência o que vou fazer. Dessa forma conseguimos rentabilizar melhor os nossos dias em viagem.

É importante sabermos o que queremos visitar com alguma antecedência pois algumas atracções tem que ser previamente marcadas (como a Prisão de Kilmainham em Dublin, o Parlamento de Berlim ou a Casa de Anne Frank em Amesterdão), correndo o risco de não a visitarmos. E na maior parte das atracções, comprando os bilhetes antecipadamente online conseguimos um desconto e ainda temos a vantagem de evitar filas na entrada.

DSCN2970

Viena – Áustria

Como sei em antemão o que quero visitar tenho consciência do dinheiro que vou gastar em actividades. Se vir que no global ultrapassa um pouco do que posso/quero gastar então faço previamente uma selecção do que quero MESMO conhecer.

Começo a elaborar o itinerário antes de marcar alguma coisa, primeiro para ter uma ideia dos dias que são necessários para conhecer o que quero visitar, mas também sé é necessário marcar alojamento em mais do que um local.

Na pesquisa dos locais que gostava de visitar recorro a outros blogs, a fóruns de viagem, assim como aos guias de viagem da Lonely Planet (os meus preferidos).

Só depois de ter pesquisado todas estas informações é que efectuo a reserva dos voos, assim como o alojamento e se necessário o aluguer do veículo.

6 – Burocracias e Pormenores

Não devemos descorar de alguns pormenores importantes que podem fazer-nos ficar em terra… Como a necessidade de visto para entrar no país, se precisamos de passaporte (e se o mesmo está em dia – em alguns países temos que o ter com uma validade de pelo menos 6 meses). Recordo-me que quando fui a Cuba já me encontrava dentro do avião mas o mesmo nunca mais descolava… Depois de algum tempo fomos informamos que dois passageiros tinham tido problemas com os vistos e por isso estavam a retirar as suas malas do porão…

Também é necessário verificarem se é preciso levarem alguma vacina, para entrarem no país, e aqui aconselho a marcarem a consulta do viajante.

DSCN2178

Praga – República Checa

Dias antes da viagem verifico se é necessário fazer câmbio e volto a verificar todo o itinerário (e normalmente acrescento mais coisas), confirmo a estadia e faço o check-in online dos voos.

Mas como sou muito minuciosa, além disto tudo, ainda vejo quais são os transportes públicos mais próximos do alojamento, assim como, quais os supermercados próximos (no caso de ficar em apartamentos) e quais os parques de estacionamento (no caso de alugar carro).

Uma ferramenta que tenho utilizado bastante nas últimas viagens e que já não vivo sem é a aplicação do tlm “Citymaps2Go”. Descarrego previamente o mapa da cidade ou país e marco todos os lugares que pretendo ir. Como a sua navegação pode ser feita offline permite-nos poupar nos dados móveis. Desde que comecei a utilizar esta aplicação nunca mais me perdi 🙂

img_9635

Aplicação CityMaps2Go

7 – Alimentação

Ultimamente temos ficado sempre em apartamentos, principalmente pela comodidade e poupança que nos permite, pois conseguimos preparar as nossas próprias refeições. Se forem almoçar e jantar a restaurantes todos os dias da viagem, o valor só em alimentação é bastante elevado, o que pode ficar drasticamente reduzido se forem a um supermercado local e preparar as refeições no apartamento.

Ainda assim, gostamos de experimentar pelo menos uma vez a culinária local. Nessa altura utilizo o Tripadvisor para escolher o restaurante, vejo fotos, leio os comentários e verifico os preços…

8 – Evitar as alturas altas

Se evitarem viajar nas alturas altas conseguem poupar muito, porque normalmente está tudo muito inflacionado nessas alturas. Além do dinheiro, nessas alturas a quantidade de turistas é bem maior, o que normalmente origina filas para entrar nas atracções, o que se pode tornar bastante frustrante.

Obviamente que pode haver situações que queremos ir numa altura que é considerada alta, quando assim o é marquem tudo com bastante antecedência. Por exemplo, eu adoro os mercados de natal da Alemanha, e sei que nessa altura há muita procura, por isso marco voos e alojamento com cerca de 5/6 meses de antecedência.

IMG_7327

Mar de gente no Mercado de Natal em Colônia.

IMG_7171

Aachen – Alemanha

Espero que lhes tenha ajudado a compreender como é todo o processo de sermos nós a marcarmos uma viagem, se lhes surgir alguma dúvida podem sempre enviar mensagem 🙂

Como poupar para viajar: É assim que faço!

Muitas pessoas acham que ganho muito bem ou que ganhei o euromilhões ou, até mesmo, que tenho um namorado rico que me paga as viagens (Sim, já ouvi uma barbaridade dessas) por conseguir viajar algumas vezes. Estão muito enganadas! Nunca me saiu prémio nenhum, o meu ordenado também não é nada de especial e o meu namorado não é rico ou algo que se pareça para me bancar as viagens. Mas como viajar é uma prioridade e uma paixão para mim, faço algumas poupanças e esforços nesse sentido.

Grand Palace (97)

Tailândia – Janeiro 2014

Hoje em dia não precisamos de ser muito abastados para conseguir viajar, mas é preciso fazer alguns cedências. Eu estou disposta a isso para conseguir viajar! Como por exemplo:

  • Já pensaram no que gastam em restaurantes todos os meses? No dia a dia como sempre em casa! Aos fins de semana, também, raramente vou a restaurantes. Habituamo-nos a fazer um jantar mais especial (com direito a entradas, sobremesas e um vinho bom) ao fim de semana, e dessa forma não sentimos muito a necessidade de jantar fora.
  • Deixei de fazer compras por impulso. Preciso de ter aquele telemóvel que acabou de sair? Não! Ou aquela mala lindíssima de marca XPTO, mas que custa mais do que o meu ordenado?! Simplesmente não o faço! Se tenho que comprar algo mais dispendioso, pondero muito bem se preciso mesmo, ou se vou dar utilidade suficiente que justifique o investimento. E se sim, todos os meses separo uma certa quantia para esse fim. Claro que continuo a fazer compras supérfluas, como roupas e maquilhagem (a minha perdição). Mas hoje em dia não é nada disparatado.
  • Comprar revistas ou jogar nas raspadinhas, euromilhões e afins? Simplesmente não o faço, de todo!
  • Quanto fica uma saída à noite? Já pensaram bem? Uma caipirinha num bar, uma vodka na discoteca… Actualmente é muito raro sair à noite! Só o faço se houver um aniversário ou se houver algum convite de algum amigo. E, mesmo assim, consumo muito pouco. Não sou uma eremita! Simplesmente quando saio à noite em vez de consumir 10 bebidas, bebo uma na happy hour e pouco mais… Assim não faço grandes estragos no orçamento. E na realidade prefiro mil vezes ficar no relax de casa e beber um bom vinho tinto, do que sair à noite!
  • Fumar! Sei que é um assunto delicado, mas quanto é que um fumador gasta, por mês, em tabaco? Além de prejudicar a saúde também arruína a carteira.
  • Tenho uma conta-poupança de viagens. Ou seja, todo o dinheiro que sobra nesse mês, vai para essa conta. Todos os gastos das viagens saem dessa conta, assim, não chego a mexer na minha conta habitual. Dessa forma, não tenho nenhum rombo no orçamento mensal, quando viajo.
  • Arranjar um part-time. É uma boa forma de conseguirem ter um dinheiro extra! No meu caso, trabalhava aos fim-de-semana, na minha folga, durante o verão. Apesar de ser cansativo, é completamente recompensado quando estamos em viagem ☺️

Tailândia – Janeiro 2014

Paris – Março 2014

Estes são alguns exemplos das cedências que faço para poupar e conseguir viajar. Se eu consigo qualquer pessoa consegue, é só querer!Além disto tudo, pesquiso muitoooooo antes de marcar seja o que for! Hotel, vôos, aluguer de carro, bilhetes para museus…

Brugges – Setembro 2014

Pesquiso em diversas companhias aéreas antes de reservar o voo, para conseguir o melhor preço possível. E sempre com muita antecedência, 4/5 meses! Também utilizo muitas vezes o site momondo , para comparar preços. É um site bem útil!

Berlim – Dezembro 2014

E não sou muito rigorosa com o destino! Ou seja, se vir uma oportunidade muito boa, por exemplo, ver que os bilhetes de avião para determinado destino estão super baratos e apesar daquele lugar não estar nos meus planos imediatos, não perco essa oportunidade!

Londres – Outubro 2015

Em relação à hospedagem, normalmente utilizo o Booking. Aqui o truque também é reservar o quanto antes, para conseguirmos os hotéis com melhor classificação a preço mais em conta. Antes de reservar, vejo sempre a sua localização, tento que fique o mais central possível, para depois não perder muito tempo e dinheiro em transportes.

Lüneburg – Novembro 2016

Este post é o início de uma nova categoria que quero implementar no blog. Vou começar a mostrar-vos os custos de cada viagem, para assim terem uma noção dos valores gastos em cada lugar. Muitas vezes pensamos que aquele local de sonho é-nos completamente inalcançável por não termos orçamento, mas, com muita pesquisa e alguma poupança tudo é possível!

Lago di Como – Outubro 2017

Digam-me, têm algum truque para pouparem?

Eurotrip Praga, Viena, Bratislava e Budapeste | Gastos

Só poderia inaugurar a nova rúbrica do blog sobre os gastos por viagem, a qual mencionei no último post, com uma das viagens que mais visualizações tem tido; A Eurotrip que fizemos em Maio de 2016, percorrendo Praga, Viena, Bratislava e Budapeste em 10 dias (com direito a algumas horas em Frankfurt).

DSCN2531

Praga

Quando vimos viagens deste género nos panfletos de agências de viagem, os valores  apresentados nunca atingem menos de 4 dígitos. Mas é possível fazer uma viagem assim com um orçamento bem mais restrito. Querem saber quanto gastamos? De realçar que esta viagem foi feita em Maio de 2016.

VOOS

Vamos começar por aquilo que provocou o maior rombo no orçamento; os voos! Fizemos Lisboa-Praga pela TAP , Budapeste-Frankfurt, pela Lufthansa e Frankfurt-Lisboa pela TAP.

Gastamos 643€  pelos dois.

Actualmente há tarifas bem mais em conta pela TAP, para estes voos. E também voltaram a ter a rota Budapeste-Lisboa, pelo que já não temos que fazer escalas.

Fiz uma breve pesquisa e encontrei voos de LX-Praga a 83€/pessoa e Budapeste-LX por 86€/pessoa. Ou seja, praticamente metade do que pagamos!

DSCN2218

Praga

ALOJAMENTO

Ficamos sempre em apartamentos:

Praga: Apartments Pushkin  (Review)

Viena: Apartamento no AIRBNB (Review)

Budapeste: Bebop Opera Apartments (O link para o Booking já não se encontra disponível)

Para 9 noites gastamos 470€ pelos dois.

DSCN2970

Viena

ALIMENTAÇÃO

Como alugamos apartamentos, normalmente fazíamos as refeições por lá, o que nos permitiu poupar algum dinheiro.

Mas fazíamos questão de ir a pelo menos um restaurante em cada país, para experimentar a comida local. E em Viena, como era o meu aniversário, fizemos uma pequena extravagância e fomos a um restaurante mais caro.

No total, em comida gastamos 190€ pelos dois.  (Além de almoços e jantares, neste valor também estão incluídos as diversas cervejas que experimentamos, assim como, doces típicos).

TRANSPORTES

Neste valor estão incluídos os trajectos de comboio Praga-Viena, Viena-Bratislava e Bratislava-Budapeste. Assim como todos os restantes valores de deslocações que fizemos nas cidades.

Gastamos 142€ pelos dois, em transportes.

DSCN3121

Viena

ACTIVIDADES

Aqui estão incluídos todas entradas em museus e palácios.

Gastamos 170€ pelos dois.

DSCN3889

Budapeste

 

Dá um total de 807€ por pessoa, com tudo incluído.

De realçar que esta viagem foi feita em 2016 e, como tinha mencionado em cima, actualmente podem gastar metade do valor que nós gastamos nos voos.