Vilarinho das Furnas – Gerês

O dia amanheceu cinzento e havia muita nebulosidade. Mas isso não fez com que perdesse o entusiasmo para conhecer mais um pouco deste pedaço lindo do nosso país. Muito pelo contrário, na minha opinião, o Gerês, com este clima torna-se ainda mais encantador e com um ar misterioso.

Na estrada

Na estrada (14)

Na estrada (15) Na estrada (17)

A primeira paragem do dia foi a aldeia submersa de Vilarinho das Furnas, que em tempos foi uma aldeia comunitária e hoje é uma barragem.

Mas antes. fizemos uma breve paragem no Museu Etnográfico de Vilarinho das Furnas. A inauguração deste museu deu-se no ano de 1989, e o que motivou a sua construção foi para para reviver alguns dos costumes e tradições dos habitantes de Vilarinho.

Este museu foi edificado com pedras das habitações, da antiga aldeia de Vilarinho das Furnas, actualmente submersa.

Vilarinho das furnas

Vilarinho das Furnas era uma aldeia comunitária, fundada há muitos séculos atrás.

A população desta povoação, além do acatamento das leis nacionais, tinham também as suas leis internas que eram respeitadas e cumpridas.

Vilarinho das furnas (2)

Essas leis internas eram decididas por uma junta e seis elementos dirigida por um zelador.

Para integrar a junta eram eleitos chefes de família e apenas os homens podiam desempenhar as funções de zelador. Este tinha que ser casado e era escolhido por ordem cronológica de casamento. De seis em seis meses realizavam uma reunião de onde escolhiam os próximos membros da junta, como também, o zelador.

Vilarinho das furnas (3)Havia reuniões semanais, convocadas pelo zelador, e onde ficavam estabelecidos os trabalhos a realizar e as multas a pagar. As decisões eram tomadas por maioria.

Vilarinho das furnas (10)

Vilarinho das furnas (5)A fascinantes comunidade de Vilarinho acabou em 1970, devido à construção de uma barragem. Cerca de 250 pessoas, tiveram que deixar abandonar a sua povoação.

Desde 1971 que a aldeia está submersa pela água da albufeira da barragem.

 Vilarinho das furnas (7)

Contudo, quando a barragem é esvaziada (para limpeza) ou quando as águas do Rio Homem baixam bastante, devido a períodos de seca, é possível ver os restos das casas que ainda permanecem de pé. Nós não tivemos essa sorte, a barragem estava muita cheia e não conseguimos visualizar nada, além da água…

Esta barragem não apenas destruiu as casas desta povoação, destruiu, principalmente, uma comunidade com uma força de união muito rara. Uma comunidade repleta de riqueza cultural, e sem dúvida, um exemplo.

Vilarinho das furnas (9)

Para aceder a esta aldeia é preciso fazer uma caminhada. Existe uma cancela, que pode estar fechada, mas que dá para passar… O carro pode ser deixado aí, à entrada, ou avançar um pouco… Mas chega a uma parte que é impossível avançar com o carro, e o resto do trajecto tem que ser feito a pé.

Esta entrada foi publicada em Gerês, Portugal com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s