Pitões de Júnias – Gerês

Fomos finalmente para o local que deu origem a esta viagem… Pois, foi devido ao Mosteiro de Santa Maria das Júnias que a viagem ao Gerês surgiu. Uns amigos, durante um jantar, falaram que gostavam de visitar este mosteiro… E uns tempos depois marcamos o avião, hotel e fizemos o roteiro. Quando reparamos estávamos no local que originou esta viagem 🙂

Fizemos uma breve paragem em Cabril, onde saboreamos um café com vista para a Serra da Cabreira.

1º Dia, a caminho de Pitões (6)

1º Dia, a caminho de Pitões

Pelo caminho havia sempre algo para me deslumbrar… Ora era pela construção das casas, por baixo de grande pedragulhos, ou era pelas inúmeras vacas barrosã, que se passeavam pelo meio da estrada… O Gerês é mesmo um sítio mágico 🙂

1º Dia, a caminho de Pitões (2) 1º Dia, a caminho de Pitões (3) 1º Dia, a caminho de Pitões (4) 1º Dia, a caminho de Pitões (5)

Quando chegamos, finalmente, a Pitões de Júnias fomos directamente para o Mosteiro.

O acesso ao mosteiro é feito de carro até determinada altura, fazendo-se o resto do percurso a pé. O caminho é um pouco irregular, mas faz-se bem.

Pitões de Júnias (5)

Depois de uma caminhada encontramos, no fundo do vale, um mosteiro completamente isolado e também muito degradado…

Pitões de Júnias (6)

Este convento foi fundando no século IX e destinava-se a albergar Frades Beneditinos. A sua implantação obedeceu a critérios de isolamento.

Pitões de Júnias

Pitões de Júnias (2)Pitões de Júnias (3)

Com a extinção das ordens religiosas masculinas, em 1834, o seu último monge passou a exercer a função de pároco em Pitões.

Pitões de Júnias (4)

Na segunda metade do século XIX, um incêndio levou à ruína muitas das dependências conventuais.

O Mosteiro de Santa Maria das Júnias encontra-se classificado como Monumento Nacional.

Pitões de Júnias (7)

É possível fazer caminhadas para apreciar as belas paisagens à volta do mosteiro. Não o fiz, fiquei apenas pelas imediações do mosteiro.

Antes de regressar à vila do Gerês, dei um “pulinho” a Espanha, pois era logo ali…

Pelo caminho fui passando por dentro de terriolas, onde os habitantes locais, sentados à porta das suas casas, à espera que o tempo passasse, nos acenavam com um sorriso no rosto, por verem uma cara nova naquelas bandas…

E onde os animais circulavam livremente e naturalmente pelas estradas…

A caminho de Torneiros - 1º dia A caminho de Torneiros - 1º dia (2)

Esta entrada foi publicada em Gerês, Portugal com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s